Estádio de Celorico da Beira mereceu elogios dos técnicos da Federação Portuguesa de Futebol

Os técnicos da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) ficaram agradados com as condições oferecidas pelo Estádio de Celorico da Beira. A relva bem tratada e os balneários espaçosos foram alguns dos aspectos que levaram aqueles responsáveis a eleger este complexo desportivo como o único que recebeu duas das seis partidas do Torneio de Desenvolvimento da UEFA sub-16 masculino que decorreu entre sexta-feira e hoje e que contou, além de Portugal com as selecções da Bélgica, Paraguai e Suécia.

Pedro Roma treinador adjunto da selecção de sub-16

“Para um clube e localidade com estas dimensões, este é um espaço muito bom, com as condições ideais para este tipo de provas”, disse no final o ex-internacional A Rui Bento que foi campeão nacional pelo Sporting e Boavista, ocupando actualmente as funções de técnico-adjunto neste escalão de formação da FPF. Uma opinião partilhada pelo seu colega, o ex-guarda-redes profissional Pedro Roma. “Joguei aqui quando o estádio foi inaugurado e actualmente tem uma relva digna e toda uma estrutura dignificante”, frisou.

Nem sempre foi assim. O relvado chegou a atingir um estado lastimável e foi necessário investir cerca de 40 mil euros num novo tapete. O actual executivo liderado por Carlos Ascensão, por seu lado, também apostou na requalificação do espaço, limpando e retirando máquinas obsoletas (como retroescavadoras ou camiões), bem como outro material digno de figurar num qualquer ferro velho e que se encontravam dentro da vedação do estádio. Ao mesmo tempo, a relva passou a receber tratamento intensivo por parte de um funcionário, assim como as restantes instalações.

“Tivemos de limpar o espaço que parecia uma lixeira, o que não se coadunava com uma estrutura que serve de cartão-de-visita sempre que recebemos equipas dos campeonatos locais, bem como estes acontecimentos mais marcantes e investir na sua manutenção”, sublinha o presidente da autarquia, estimando que ao longo do ano sejam investidos ali alguns milhares de euros. “Mas consideramos um investimento, não uma despesa”, refere.

Rui Bento técnico adjunto da selecção nacional sub-16

Enquanto acomodava no carro alguns queijos da serra – “comprados no comércio local, não foram oferecidos”, diz entre sorrisos Rui Bento -, o ex-internacional também considerou extremamente importante que existam estas infra-estruturas no interior do país para receber competições de algum nível. “Numa altura que se fala tanto em educação é importante trazer estas competições ao interior do país com jogadores já com um nível considerável. Para dar conhecer a importância da prática do futebol e o gosto pela modalidade, não para os jovens se transformarem em profissionais, porque isso poucos o conseguem, mas para ganharem gosto pela educação física”, sublinhou.

O agora treinador aproveitou ainda para elogiar a forma como foram recebidos e tratados nestes dias. “Foi muito agradável. Com estas iniciativas ganha a região, que é divulgada, não só a nível nacional, mas também internacional, e ganha também a selecção que assim vai conquistando adeptos”, rematou, mostrando-se esperançado que no futuro se realizem mais actividades deste género. A bem do desporto e do país.