CM de Celorico da Beira gostaria de inaugurar museu Sacadura Cabral dentro de três anos

A Câmara Municipal de Celorico da Beira espera estar em condições de inaugurar o museu dedicado a Sacadura Cabral quando a 30 de Março de 2022 se comemorar o centenário da primeira travessia aérea do Atlântico Sul, ligando Lisboa ao Rio Janeiro, a bordo do hidroavião Lusitânia, por aquele celoricense e Gago Coutinho. O primeiro passo foi dado ontem, durante o feriado municipal, com a assinatura do protocolo de cedência do espólio, constituído por mais de mil peças, doado pelo Comendador José da Silva Henriques.

Actualmente, já existe um projecto e uma candidatura a fundos para construção do espaço que deverá acolher o museu, o qual deverá ficar situado precisamente na rua Sacadura Cabral, em frente ao actual edifício da Caixa Geral de Depósitos e próximo da entrada para o Castelo, numa zona que será requalificada. “Estamos a trabalhar no sentido de conseguir que a inauguração aconteça em a 30 de Março de 2022, o dia em que se completa um século sobre um dos feitos mais importantes da aeronáutica mundial. Seria interessante celebrar esse dia com este marco muito relevante para o concelho e mesmo para o país. Faltam três anos…”, conta o presidente da autarquia Carlos Ascensão, não se contendo em elogios ao homem que tornou tudo isto possível.

“O comendador José da Silva Henriques é um apaixonado por Sacadura Cabral e reuniu todo este material de extraordinário valor histórico e cultural que doou à terra que viu nascer aquele pioneiro da aviação. Foi um acto nobre e uma oportunidade que não podíamos desperdiçar. Quando tivemos conhecimento desta disponibilidade fomos a Cascais e recolhemos o espólio, que contém as mais variadas peças, e já se encontra em Celorico da Beira”, continua o autarca, rematando que “se perdermos a memória, perdemos a identidade”.