Celorico da Beira é o concelho da CIM Beiras e Serra da Estrela que atraiu menos fundos do Centro 2020

Celorico da Beira da Beira é o concelho da CIM Beiras e Serra da Estrela que menos proveito tem retirado do programa de apoios europeus Centro 2020 (Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020). Este projecto, que visa aplicar os fundos no Centro de Portugal, contemplou apenas 11 candidaturas em Celorico da Beira, num valor total de 209 645,90 euros, menos de um terço dos 661 465,59 assegurados pelos oito empreendimentos apresentados por Fornos de Algodres, o segundo concelho desta Comunidade Intermunicipal que menos beneficiou destes financiamentos comunitários que tiveram início em 2014 e terminam no final de 2020.

Projectos aprovados para Celorico da Beira no âmbito do Centro 2020

Na CIM Beiras e Serra da Estrela, além de Celorico da Beira, apenas Fornos de Algodres e Almeida (também com 11 projectos e cerca de 800 mil euros) não apresentaram candidaturas capazes de chegar a um milhão de euros. Já os concelhos da Guarda, Trancoso, Gouveia e Pinhel, que fazem fronteira com Celorico da Beira, conseguiram um desempenho muito superior. Trancoso conseguiu atrair projectos no valor de aproximadamente 2,5 milhões (28 projectos), Gouveia disparou para os cinco milhões, distribuídos por 37 iniciativas, e Pinhel viu serem investidos no seu concelho 5,7 milhões para dinamizar 58 projectos. Já a Guarda foi o segundo concelho mais dinâmico da CIM recebendo pouco menos de 17 milhões (para 109 projectos).

Projectos e verbas aplicados na CIM Beiras e Serra da Estrela

A Covilhã foi, até ao momento, o concelho que mais partido retirou das verbas comunitárias ao garantir um financiamento superior a 27 milhões de euros, distribuídos por 124 projectos, enquanto o Fundão ocupa a terceira posição ao assegurar para a sua economia quase 14 milhões, destinados a alavancar 96 empreendimentos.

O Programa Operacional Regional do Centro é um projecto que procura responder aos novos desafios e ao futuro da região. Integrada no PORTUGAL 2020 e em sintonia com a EUROPA 2020, é responsável pela aplicação dos fundos europeus no Centro de Portugal desde 2014 até ao final do ano de 2020 e está orientado prioritariamente para o reforço da competitividade das empresas e para a promoção do emprego. Mas também para a protecção e à utilização eficiente dos recursos da região e à inclusão social das pessoas mais desfavorecidas.

Dos 2,155 mil milhões de euros que a União Europeia colocou à disposição da região através do Programa Operacional Regional do Centro, 1,751 mil milhões de euros correspondem ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e 404 milhões de euros correspondem ao Fundo Social Europeu (FSE). Estas verbas pretendem reforçar a investigação, o desenvolvimento tecnológico e a inovação; melhorar o acesso às TIC, bem como a sua utilização e qualidade; reforçar a competitividade e internacionalização das PME; apoiar a transição para uma economia com baixas emissões de carbono em todos os sectores; proteger o ambiente e promover a eficiência dos recursos; promover o emprego e apoiar a mobilidade laboral e a inclusão social, bem como combater a pobreza; investir no ensino, nas competências e na aprendizagem ao longo da vida; e reforçar a capacidade institucional e uma administração pública eficiente.